à saída do fojo

uma tangerina
e uns quantos cafés
vista para a colina
cheiro a mar
e o som dos pássaros
que se movem ininterruptamente
pelo céu

uma tangerina
e uns quantos cafés
vista para as árvores
cheiro a tabaco
e o som das cadeiras
que rangem incessantemente
no pátio

uma tangerina
e uns quantos cafés
vista para os lençóis
cheiro a limão e gasolina
e o som das gotas
que caem intermitentemente
do lado de lá do quarto

uma tangerina
e uns quantos cafés
vista para nada
cheiro a nada
e nenhum som
a ecoar nos azulejos
da casa que alberga
a liberdade e a calma

três ou quatro ou quinze

quando me sentei
pela primeira vez
sozinho
houve um estranho conforto
que assolou a casa onde cresci
como se na merda
houvesse a única certeza
a única melodia inalcançável
que embala o mundo
no natural desenvolvimento

tudo estava normal
os amores floriam da mesma maneira
os ordenados caíam nas contas bancárias
a televisão passava o noticiário à hora do costume
os bêbados continuavam bêbados
o cão peidava-se no sofá

tudo estava como
era suposto estar

talvez não haja o que mudar
a gente continua a bater com os cornos na parede
os animais de estimação continuam a ter gases
as canções continuam tristes
(as que valem a pena)
o noticiário continua a dar às oito
e eu continuo na mesma

assim
uma contínua maré de normalidade
e solidão
três ou quatro ou quinze copos de whisky
duas refeições mal feitas
algumas desculpas
(por muito reais que sejam)
para se continuar só
e as notícias na televisão
à hora que sempre passaram
desde que
pela primeira vez
me sentei sozinho