diário #11

Hoje conversei (como qualquer bom amante) sobre trânsito intestinal, rabos e chambão de borrego. Este último chamou-me a atenção porque, como tenho estado com o tempo demasiado ocupado a fazer flores em cafés, as minhas ideias acabam por ser osso com pouca carne – como o chambão de um borrego.

“Que achas deste início que me deste?” perguntei.

Ela achou curioso mas eu achei uma bela porcaria. Não que essas três temáticas não sejam boas ou importantes, mas tenho andado com uma predisposição parva para não gostar de nada que me saia das mãos, a não ser que seja alguma bebida com bourbon, enfiada num shaker qualquer e enfeitado como os ramos que se dá à madrinha uma vez por ano.

Fiquei parado na ideia de dar um início a alguém. Não apenas na perspectiva de ajudar alguém a começar um texto desnecessário às onze e cinquenta e oito da noite; dar um início como quem cura feridas e quase que dá um corpo novo ao moribundo. Torna a pergunta bem mais interessante.

“Que achas deste início que me deste?”

É que eu não estava à espera, mas fico-te eternamente grato.

o pequeno conto do nu

Comecei por andar nu, como todos andamos a certo ponto. Apercebi-me, ainda em tenra idade, de que o resto do mundo usava roupas e achei por bem vestir-me também; mas sentia falta da aragem no umbigo, das gotas de chuva nos mamilos, do toque da pedra no pé, do frio nos tomates, e dei por mim despido outra vez.

No outro dia queimei a pila e não me importei, porém ando preocupado porque soube da existência de camisas que protegem o coração em caso de incêndio: uma preocupação explicável para quem sabe que sorri com o calor no peito, mas que não pára de brincar com o fogo quando é hora.

o lugar dela

para a inauguração da exposição
do coletivo Mitose
27/04/19

I: Ele

é no andar de baixo
longe de toda a gente
é na boutique e no armazém atrás da boutique
é perto da sujidade apenas por ser perto da sujidade
é para o outro lado
para onde não te ouçam
é na rua padre Américo Número 102
e é bom que chegues cedo porque não estou para brincadeiras
é naquele quartinho muito pequenino
aquele que não tem janelas
onde não desejava passar dois minutos quanto mais a vida inteira
é à beira do forno
é a calar a miudagem
é a olhar por todos
é comigo
é caladinha
quietinha
é aqui
é assim
porque sim
é comigo porque se não for comigo não é com mais ninguém
não pode ser com mais ninguém
e não digas que não vais com sorte
que ao domingo ainda te levo à missa

só Nosso Senhor sabe o quanto eu sofro
ai se não fosse o vinho
ai se não fosse o cigarrinho depois do café
que seria de mim?

II: Ela

lancei os vestidos ao mar
rasguei as blusas
estraguei os colares
e peguei nos pedacinhos todos para meter na lareira
para te queimar a memória
para me limpar de tristezas

deixei a cadela mijar nos teus sapatos
dei as gravatas ao vizinho
não te engomei camisas
calças
cuecas
meias
não te engomei um caralho
nunca te devia ter engomado ponta de um corno

a miudagem vai para a casa da minha irmã
não interessa para onde eu vou
o que importa realmente
é que o quarto agora tem janela
e é tudo tão bonito lá fora
que nunca mais irei contar as marcas da parede
que nunca mais irei polir o teu cálice
que nunca mais irei fugir de casa
porque nunca mais irei fugir de ti

PS:

deixei arroz para a semana inteira no frigorífico
assim tens tempo para aprender a cozinhar
e não vou mais à missa
já viste a sorte que tu tens?

III: Eu, que nunca lhe cheguei a dizer estas palavras

o lugar dela é um segredo
dos que não se verbalizam
dos imutáveis
e pensar que assim não o é
é para quem não sabe ver
que nos seus olhos nascem rios
que nos seus lábios crescem flores
que na sua pele o sol se põe
que na sua mão cabe todo o mundo

o lugar dela é do seu sorriso
daquele sorriso que posso deixar de ver
mas que de modo algum morrerá
é da sua cabeça
do seu sangue
do seu coração
é da sua memória que
se negra for
é porque houve gente pequena
que não conseguiu acender a luz do quarto

o lugar dela
é dela
e dele só ela sabe
o que me pertence
é apenas
o meu amor

estava a ler frank o’hara no café (diário #10)

três rapazes estão sentados à minha esquerda a fumar cigarros. têm muita papelada em cima da mesa. se tivesse de adivinhar diria que estão a estudar para algum tipo de exame, mas eu não tenho de adivinhar porque estou a vê-los. parecem mais preocupados com o que a Margarida disse ao moço do cabelo oleoso do que com o exame.

dois miúdos com coroas e capas passaram a correr. atrás ia uma senhora (mãe de um deles ou dos dois, com certeza) com um ar mais cansado do que o meu.

à minha frente está um casal de idosos a ter conversas distintas um com o outro. a senhora diz que o cabeleireiro abusou – que cortou demasiado cabelo – e que da próxima vai seguir o conselho da vizinha, que vai ao shopping e nunca sai de lá descontente. o senhor continua indignado com o tempo de confecção das torradas. “quinze minutos? é pão com manteiga!” diz ele. não sei o que achar disto.

à direita do casal está um rapaz que se preocupa demasiado com a estética das suas sobrancelhas e uma senhora mais velha e muito bonita. a senhora tem uma camisa branca e calças de ganga, e parece que está a dar explicações de matemática ao rapaz das sobrancelhas. se ela tivesse sido minha professora se calhar gostava mais de matemática e não estava no café a escrever estas merdas.

ao fundo estão outros quatro rapazes. ao bocado falavam do comprimentos dos calções de um deles. ele que use o que quiser mas realmente aquilo são boxers e não vale a pena dizer que não.

a última mesa ocupada alberga uma família. pai, mãe, filha. tratam-se por “você”. acho isso extremamente impessoal e não deve fazer maravilhas para o ambiente familiar. “o pai acha que sou otária?” foi a pergunta que ficou no ar. calaram-se depois e só falaram para o pai pedir a conta. será que tocaram num ponto sensível? tanta classe e tão poucas palavras.

eu estava a tentar ler o livro do Frank O’Hara que comprei na livraria do costume, mas decidi escrever parvoíces sobre as pessoas da esplanada, já que não se calam um bocadinho. se um dia tiver um café vou ter uma sala dedicada a quem quer beber em silêncio.

diário #9

Não tenho conseguido escrever. Sento-me à mesa com o caderno aberto, a caneta na mão, e nada. Vou dar uma volta pelo quarteirão, fumo uns cigarros e bebo um café à beira do jardim. Puxo uma vez mais do caderno, da caneta, e nada. Bebo uma garrafa de vinho quando a lua acompanha o vício, continuo nessa demanda até te ver em todo o lado. Agarro no caderno, na caneta, e nada. Foda-se.

 

encontrei em ti
o tempo e a calma
de braço dado
a contar tostões para comprar
broas de mel

nunca mais os vi passar
por mim
desde que foste
até ao Japão a pé
(suponho que foste
porque nunca mais te vi também)

 

Isto foi o máximo. Em duas semanas, quase três. Talvez seja porque tenho andado pior da saúde. Há quem tome constantemente o “paracetamol dos dias” e ande para a frente como deve de ser, mas eu não consigo. Essa porcaria dá-me vómitos e tenho de me resignar ao facto de existirem certos assuntos que me inquietam de uma maneira debilitante.

praga

Praga fez sentido na altura de fugir
titubeante
do som da tua voz
como faz a quem ergue catedrais em nome de Venceslau
para não se perguntar mais
sobre o que é morrer

recordo-me da leveza com que habitavam
certas gentes
no interior das imponentes naves dessas construções
tão etéreas elas
quanto eu
por razões distintas

que a distância permite-me respirar fundo
e sucumbir aos pés dos dias
com vontade de os perceber
enquanto que saber-se distante das resoluções
tende a dar comichão a meio mundo

se houve um dia em que respostas simples
para a imutabilidade do fim da vida
me irritassem a pele dos tomates
agora quase que invejo
ter a capacidade para parar de ponderar
durante um minuto
e simplesmente crer

não evito a ideia de que voltarei à não existência
da qual não me lembro
mas Praga volta a fazer sentido
como terá sempre lógica para quem pede a São Vito
que não deixe de estar aqui
ou que se deixar
que parta para um sítio bonito

partilharemos sempre uma cidade
uma morte
e no final
um de nós terá razão

até lá
fujo do som da tua voz

ano velho de bigode

O último dia do ano. A última bolacha do pacote. A altura em que, cansados, tentamos juntar forças, três ou quatro tostões e umas garrafas de vinho para pedir com muita força que tudo seja diferente para o ano que virá. Acho mesmo piada ao ano novo. Uma graça um bocado mórbida. É que o “ano novo” é o “ano velho” de bigode, só que, de qualquer forma, teimamos em achar que vai ser tudo drasticamente diferente. Como se, ao tocar o sininho, entrássemos num universo paralelo onde aquelas parvoíces que pensamos ao comer as uvas se tornassem todas verdade (sim, digo parvoíces porque aposto que muitos [como eu] apenas pensam “por favor, que haja menos merda; que haja só menos merda”). Isso não acontece; por isso é que muita gente escolhe passar a meia-noite com uma ramada de alto nível: para não se lembrarem que o que aí vem não passa de uma extensão do que já foi, por isso não pode ser assim tão diferente – nem que ganhem o Euromilhões.

Achamos sempre que tudo vai mudar, está na nossa natureza. Queremos melhor, mais, de outro modo, porque nunca nos contentamos com o que temos. Acreditamos que há sempre espaço para desenvolvimento, até ao dia em que perdemos um bocado a esperança e passamos a passear pelo mundo em vez de ter aquele “brilhozinho nos olhos”, como falava o Sérgio Godinho – e esse dia pode chegar mais cedo ou mais tarde, mas penso que chega. Não tenho desejos ou resoluções para 2019. Vou só esperar, como todos nós mas sem mentir. Vou continuar a passear.

Feliz ano velho de bigode e levantem esse copo bem alto, que por umas horas pode ser que se esqueçam do que se quiserem esquecer.

diário #8

O filme The Purge (2013) de James DeMonaco fala-nos de uma sociedade distópica americana onde, durante 12 horas num ano, todo o crime é legal (excepto contra oficiais do governo) e toda a gente pode fazer o que quiser. Porque é que estou a falar deste filme? Porque (nunca generalizando) vejo o Natal mais ou menos da mesma forma: durante um momento no tempo toda a gente é muito simpática, maravilhosa, atenciosa e preocupada com o mundo. Uma “purga” ao contrário, se assim preferirem. Não sou fã do Natal, desculpem, mas é por razões bastante óbvias para mim. Em parte é um exercício ligeiramente hipócrita para algumas pessoas se sentirem bem consigo próprias.

“Mas olha que tu quando eras pequenino até gostavas muito do Natal!”

Quando eu era pequenino também achava que o Jardel era o melhor jogador de futebol de sempre e que o Michael Jackson era literalmente imortal; quer seja pela coca ou pela cova acabei por ser provado errado. Quem diria que o conhecimento e o interesse pelas coisas nos leva a mudar de opinião de vez em quando?

Tanto respeito o Natal que o celebro com a minha família, no entanto não posso deixar de, pela primeira vez, escrever numa página que não preciso que os dias 24 e 25 de dezembro me relembrem de quem amo; desses lembro-me todos os dias. E se é de bom tom oferecer alguma coisa a quem se ama ou gosta nestes particulares dias, também o é no resto deles – caso achem que para demonstrar amor ou afecto seja efectivamente necessário esbanjar caroço, porque no meu entender há coisas mais importantes. Mesmo assim cumpro o protocolo, sabendo que deixa os que amo felizes – pelo menos em parte.

Neste Natal lembrem-se que existe o resto do ano para serem bons para quem acarinham. Neste Natal lembrem-se que se alguém gostar mais de vocês por causa do porta-chaves que lhe compraram, é porque gostam mais das coisas do que da vossa pessoa. Neste Natal lembrem-se que “a purga” é distopia, e nada muda por um dia. Neste Natal lembrem-se que o Papai Noel é só vermelho por causa da Coca-Cola, e que isto são basicamente umas férias para sustentar comércios e materialidades. Neste Natal lembrem-se de quem amam, estejam gratos por estarem juntos (se estiverem) mas percebam, de uma vez por todas, que não é pela merda do bacalhau e do bolo-rei que a gente se junta – e que, se for, alguma coisa está profundamente errada.

Feliz Natal, ou o que preferirem. Longe de mim querer mal a alguém.


Ho Ho “Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy!
The world is holy! The soul is holy! The skin is holy! The nose is holy! The tongue and cock and hand and asshole holy!
Everything is holy! everybody’s holy! everywhere is holy! everyday is in eternity! Everyman’s an angel!
The bum’s as holy as the seraphim! the madman is holy as you my soul are holy!
The typewriter is holy the poem is holy the voice is holy the hearers are holy the ecstasy is holy!
Holy Peter holy Allen holy Solomon holy Lucien holy Kerouac holy Huncke holy Burroughs holy Cassady holy the unknown buggered and suffering beggars holy the hideous human angels!
Holy my mother in the insane asylum! Holy the cocks of the grandfathers of Kansas!
Holy the groaning saxophone! Holy the bop apocalypse! Holy the jazzbands marijuana hipsters peace peyote pipes & drums!
Holy the solitudes of skyscrapers and pavements! Holy the cafeterias filled with the millions! Holy the mysterious rivers of tears under the streets!
Holy the lone juggernaut! Holy the vast lamb of the middleclass! Holy the crazy shepherds of rebellion! Who digs Los Angeles IS Los Angeles!
Holy New York Holy San Francisco Holy Peoria & Seattle Holy Paris Holy Tangiers Holy Moscow Holy Istanbul!
Holy time in eternity holy eternity in time holy the clocks in space holy the fourth dimension holy the fifth International holy the Angel in Moloch!
Holy the sea holy the desert holy the railroad holy the locomotive holy the visions holy the hallucinations holy the miracles holy the eyeball holy the abyss!
Holy forgiveness! mercy! charity! faith! Holy! Ours! bodies! suffering! magnanimity!
Holy the supernatural extra brilliant intelligent kindness of the soul!”
Footnote to Howl, Allen Ginsberg
Berkeley, 1955
Há coisas que foram ditas/escritas e que servem de consolo em certas ocasiões, quando deviam servir de lição para o resto do nosso tempo.

vozes

as vozes

pequeno burburinho
a tactear-me a nuca
apoiado com os dois braços
no banco onde me sento
seguro de si
para que não me sinta
seguro de nada
a bafejar aquele fétido aroma
a chumbo

por onde
aos pares
anda o mundo
ando eu acocorado
para que passe ao lado o dia
qualquer dia
para que
se me encontrarem
seja fácil dizer que estou à procura
de alguma coisa
muito pequena
quase invisível
mesmo estando eu a tentar passar
despercebido
ao lado dela

a hecatombe da vertiginosa audácia de vidro
a redonda e vilipendiosa taça
por onde os meus lábios passeiam
grita para que me esconda

eu obedeço
sem colocar qualquer questão

às vozes

sair da vista ou da presença

se alguém roubar a morte
por qualquer razão que seja
que se esqueça de passar cá por casa
eu não saberia o que fazer
com a vida eterna

talvez fosse forçado
a contar escadarias para passar o tempo
mesmo nunca tendo tido interesse
em coisas que me levem
ao mesmo lugar de sempre

se alguém roubar a morte
por qualquer razão que seja
que pergunte primeiro se tem mal
levar aquilo por que se espera
pacientemente
desde o ventre

há quem goste do silêncio
mas que nunca o tenha
verdadeiramente
conhecido

(é engraçado como
com o passar dos dias
desaparecer
passa de medo
a poema)