estava a ler frank o’hara no café (diário #10)

três rapazes estão sentados à minha esquerda a fumar cigarros. têm muita papelada em cima da mesa. se tivesse de adivinhar diria que estão a estudar para algum tipo de exame, mas eu não tenho de adivinhar porque estou a vê-los. parecem mais preocupados com o que a Margarida disse ao moço do cabelo oleoso do que com o exame.

dois miúdos com coroas e capas passaram a correr. atrás ia uma senhora (mãe de um deles ou dos dois, com certeza) com um ar mais cansado do que o meu.

à minha frente está um casal de idosos a ter conversas distintas um com o outro. a senhora diz que o cabeleireiro abusou – que cortou demasiado cabelo – e que da próxima vai seguir o conselho da vizinha, que vai ao shopping e nunca sai de lá descontente. o senhor continua indignado com o tempo de confecção das torradas. “quinze minutos? é pão com manteiga!” diz ele. não sei o que achar disto.

à direita do casal está um rapaz que se preocupa demasiado com a estética das suas sobrancelhas e uma senhora mais velha e muito bonita. a senhora tem uma camisa branca e calças de ganga, e parece que está a dar explicações de matemática ao rapaz das sobrancelhas. se ela tivesse sido minha professora se calhar gostava mais de matemática e não estava no café a escrever estas merdas.

ao fundo estão outros quatro rapazes. ao bocado falavam do comprimentos dos calções de um deles. ele que use o que quiser mas realmente aquilo são boxers e não vale a pena dizer que não.

a última mesa ocupada alberga uma família. pai, mãe, filha. tratam-se por “você”. acho isso extremamente impessoal e não deve fazer maravilhas para o ambiente familiar. “o pai acha que sou otária?” foi a pergunta que ficou no ar. calaram-se depois e só falaram para o pai pedir a conta. será que tocaram num ponto sensível? tanta classe e tão poucas palavras.

eu estava a tentar ler o livro do Frank O’Hara que comprei na livraria do costume, mas decidi escrever parvoíces sobre as pessoas da esplanada, já que não se calam um bocadinho. se um dia tiver um café vou ter uma sala dedicada a quem quer beber em silêncio.

14/02

acaba por ser um dia como os outros
sou capaz de passar mais tempo no bar
talvez aventurar-me no devil’s cut
ou no grey goose
parceiros que se fazem
nos passeios pela cidade
em dias que não significam nada
mas que me relembram de tudo

talvez tire
finalmente
a tua fotografia da minha carteira
ou se calhar não lhe mexo
que assim compro chocolates a fantasmas

não sei

 

sair da vista ou da presença

se alguém roubar a morte
por qualquer razão que seja
que se esqueça de passar cá por casa
eu não saberia o que fazer
com a vida eterna

talvez fosse forçado
a contar escadarias para passar o tempo
mesmo nunca tendo tido interesse
em coisas que me levem
ao mesmo lugar de sempre

se alguém roubar a morte
por qualquer razão que seja
que pergunte primeiro se tem mal
levar aquilo por que se espera
pacientemente
desde o ventre

há quem goste do silêncio
mas que nunca o tenha
verdadeiramente
conhecido

(é engraçado como
com o passar dos dias
desaparecer
passa de medo
a poema)

três ou quatro ou quinze

quando me sentei
pela primeira vez
sozinho
houve um estranho conforto
que assolou a casa onde cresci
como se na merda
houvesse a única certeza
a única melodia inalcançável
que embala o mundo
no natural desenvolvimento

tudo estava normal
os amores floriam da mesma maneira
os ordenados caíam nas contas bancárias
a televisão passava o noticiário à hora do costume
os bêbados continuavam bêbados
o cão peidava-se no sofá

tudo estava como
era suposto estar

talvez não haja o que mudar
a gente continua a bater com os cornos na parede
os animais de estimação continuam a ter gases
as canções continuam tristes
(as que valem a pena)
o noticiário continua a dar às oito
e eu continuo na mesma

assim
uma contínua maré de normalidade
e solidão
três ou quatro ou quinze copos de whisky
duas refeições mal feitas
algumas desculpas
(por muito reais que sejam)
para se continuar só
e as notícias na televisão
à hora que sempre passaram
desde que
pela primeira vez
me sentei sozinho