praga

Praga fez sentido na altura de fugir
titubeante
do som da tua voz
como faz a quem ergue catedrais em nome de Venceslau
para não se perguntar mais
sobre o que é morrer

recordo-me da leveza com que habitavam
certas gentes
no interior das imponentes naves dessas construções
tão etéreas elas
quanto eu
por razões distintas

que a distância permite-me respirar fundo
e sucumbir aos pés dos dias
com vontade de os perceber
enquanto que saber-se distante das resoluções
tende a dar comichão a meio mundo

se houve um dia em que respostas simples
para a imutabilidade do fim da vida
me irritassem a pele dos tomates
agora quase que invejo
ter a capacidade para parar de ponderar
durante um minuto
e simplesmente crer

não evito a ideia de que voltarei à não existência
da qual não me lembro
mas Praga volta a fazer sentido
como terá sempre lógica para quem pede a São Vito
que não deixe de estar aqui
ou que se deixar
que parta para um sítio bonito

partilharemos sempre uma cidade
uma morte
e no final
um de nós terá razão

até lá
fujo do som da tua voz

Advertisements

sair da vista ou da presença

se alguém roubar a morte
por qualquer razão que seja
que se esqueça de passar cá por casa
eu não saberia o que fazer
com a vida eterna

talvez fosse forçado
a contar escadarias para passar o tempo
mesmo nunca tendo tido interesse
em coisas que me levem
ao mesmo lugar de sempre

se alguém roubar a morte
por qualquer razão que seja
que pergunte primeiro se tem mal
levar aquilo por que se espera
pacientemente
desde o ventre

há quem goste do silêncio
mas que nunca o tenha
verdadeiramente
conhecido

(é engraçado como
com o passar dos dias
desaparecer
passa de medo
a poema)